Leilão de Motos Detran.

Comprar uma moto de leilão pode ser um bom negócio, ou não. E é justamente essa dúvida que afasta muitas pessoas da modalidade.

Quando pensamos na palavra leilão, logo associamos com a compra de produtos mais baratos e com ótimo custo-benefício.

Vamos te mostrar que é possível sim comprar uma moto de leilão, mas que é preciso tomar alguns cuidados para não ter problemas no futuro.

Se você deseja ter uma moto nova e economizar dinheiro, fique atento para saber reconhecer uma boa oportunidade.

Leilão de moto é um mau negócio? Uma cilada?

Não adianta tomar conclusões precipitadas. Moto de leilão pode valer a pena, sim. Se você ainda não conhece esse mercado, deve estar se perguntando se realmente é interessante comprar um bem em um leilão.

O segredo de uma boa compra é sempre a cautela. Uma boa dose de paciência, sem tomar decisões por impulso, isso aproximará você de um negócio mais certeiro, e as chances do arrependimento são mínimas agindo dessa forma.

Inclusive, além de se informar sobre o processo em questão e ler seu edital, pode ser interessante ir aos primeiros leilões apenas como visitante. Essa é uma forma de se habituar a um mundo até então desconhecido por você.

Nessas ocasiões, é natural que não consigamos diferenciar exatamente o que é mesmo uma boa oportunidade ou uma armadilha. Quem vai com muita sede ao pote e deixa o lado racional em casa costuma estar mais próximo do arrependimento. Por isso, mantenha a calma e a coerência no momento de tomar uma decisão.

Como funciona o leilão de motos do Detran?

Quando um veículo é apreendido, independente do motivo, ele fica em um pátio do Detran. Tanto para carros quanto para motos funcionam exatamente da mesma maneira. Isso acontece de forma a esperar que o proprietário daquele veículo vá e regularize a situação daquele veículo.

Na grande maioria das vezes o proprietário desiste de regularizar pelo motivo de que muitas vezes o valor para regularização da mesma, chega a ser igual, ou até maior que o valor do próprio veículo.

Depois de um tempo apreendido, caso o proprietário abandone seu veículo e não faça a regularização, ele é liberado para venda, onde acontece o leilão.